quarta-feira, 29 de junho de 2016

Operação prende 48 adultos e apreende 40 jovens em Sobral, no CE

Uma operação da Polícia Militar prendeu 48 adultos e apreendeu 40 adolescentes em Sobral, no interior do Ceará, nesta terça-feira (28). De acordo com balanço divulgado na madrugada desta quarta (29), 75% dos detidos já têm passagem na polícia por outros crimes.
As prisões ocorreram após o boato de que membros de "gangues consideradas rivais" se reuniram para fazer uma passeata que marcaria "paz entre as facções", o que gerou um tumulto entre moradores da cidade.
Autoridades da segurança pública desembarcaram, por volta das 22h50, na terça-feira (28) na cidade. Entre eles, o secretário-interino da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), coronel Lauro Prado, o comandante-geral da Polícia Militar do Ceará, coronel Giovani Pinheiro, delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Junior, o perito-chefe da Pefoce, Maximino Chaves. Eles foram acompanhados pelo prefeito da cidade, Veveu Arruda.
Na ocasião, o prefeito afirmou que o governador do Ceará, Camilo Santana, reforçará a segurança. "O Governador Camilo determinou que todas as medidas necessárias fossem atendidas, como deslocamento de mais policiais militares e civis e de forças especiais para Sobral e já foram cumpridas desde o inicio da tarde de hoje para garantir a segurança em Sobral. Novas providências estão sendo adotadas, inclusive com a participação do Ministério Público Estadual", disse Veveu.
Depois da coletiva, a comitiva foi para a delegacia municipal, que fica localizada no Bairro do Derby, onde foi feita a maior parte dos procedimentos de prisão. Eles também participaram de reunião com os comandos de policiamento da área.
"A Polícia Militar acompanhou o evento desde o início porque sabemos que são pessoas que têm problemas com a Justiça e com as polícias. O ato começou de forma pacífica, mas depois houve afronta às pessoas de bem, ameaças, infrações de trânsito e desacato", explica o tenente-coronel Assis Azevedo, comandante do 3º Batalhão e responsável pela operação.
Segundo a Polícia Civil de Sobral, a delegacia municipal da cidade enfrenta superlotação com a operação, mas deve liberar parte dos suspeitos, se não forem identificados crimes graves. De acordo com Assis Azevedo, a ação das facções se caracteriza como apologia ao crime, o que justifica a condução até a delegacia.
"Não existe união entre criminosos. O objetivo deles é mostrar força de gangues e afrontar a polícia, como eles manifestaram o crime como algo positivo na caminhada, tivemos que fazer a prisão por apologia ao crime", explica Assis.
Caso na Grande Fortaleza

O policial responsável pelas prisões lembra que o caso foi parecido com o ocorrido na Grande Fortaleza no dia 23, quando 32 pessoas foram presas durante uma assembleia de facções criminosas.

A facção criminosa que foi presa durante uma operação da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) praticava ataques a órgãos públicos e a instituições financeiras. A informação foi repassada pelo delegado Raphael Vilarinho, titular da DRF.
De acordo com Vilarinho, o grupo era investigado pelo menos há seis meses, desde que começou uma onda de ataques a órgão públicos e ataques contra agências bancárias no interior do Ceará.

“Era uma organização criminosa que vinha atuando no Brasil todo. E não seria diferente aqui no Estado do Ceará. As investigações começaram desde quando iniciaram os ataques a órgãos públicos e a instituições financeiras”, disse.