quinta-feira, 30 de abril de 2015

'Quero frango com macarronada', diz mulher que engoliu lâmina de barbear

Mulher bebe água e acaba ingerindo lâmina de barbear em Valença, RJ (Foto: Wagner Alves de Macedo/Arquivo Pessoal)Mulher bebe água e acaba ingerindo lâmina de barbear (Foto: Wagner Alves de Macedo/Arquivo Pessoal)
“Quero frango assado com macarronada”. Esse é o primeiro prato que Patrícia Alves de Souza, de 35 anos, deseja comer após ficar uma semana ingerindo apenas líquidos. Ela engoliu acidentalmente uma lâmina de barbear. Patrícia segue internada na enfermaria do Hospital Escola Luiz Gioseffi Jannuzzi, em Valença, no Sul do Rio de Janeiro. Por telefone, a doméstica conversou com o G1 nesta quarta-feira (29).
“Estava sentindo dores no estômago e internei na segunda-feira [20]. Fiquei sabendo que tinha ingerido a lâmina na terça [21]. Fiquei desesperada. O doutor fez um raio-x, mas ainda não dava pra saber o que era. Até então, parecia um caroço ou alguma coisa parecida. Descobrimos que era uma lâmina depois que passei por uma endoscopia”, contou.
Segundo ela, durante todo tempo buscou forças na fé e na família. “Não pensei no pior, porque tenho Deus comigo, mas pensei na minha família. Tenho criança pra criar e esposo pra cuidar. Uma mãe de família é muito importante”, disse.
Lâmina estava em garrafa d'água
O acidente aconteceu no último dia 20. O marido, que queria fazer o descarte correto da lâmina, colocou o objeto dentro de uma garrafa pet. Uma das filhas do casal não viu e encheu a garrafa com água. Patrícia acabou bebendo o líquido e ingerindo a lâmina.

Desde que deu entrada no Hospital Escola, Patrícia se alimenta à base de soro. Ela ficou internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde que fez a cirurgia para a retirada do objeto do estômago, na noite de sábado (25). Na terça-feira (28), foi transferido para a enfermaria.
A operação foi realizada no mesmo hospital em que Patrícia está internada. A unidade médica tentou, durante cinco dias, transferi-la para hospitais que são referência nesse tipo de atendimento, mas todos deram resposta negativa, alegando não ter vaga ou o material necessário.
A decisão de operá-la no próprio hospital se deu pelo fato de a equipe médica considerar que Patrícia "estava em jejum por um período muito longo".
A expectativa é que Patrícia receba alta e possa voltar a ingerir alimentos sólidos ainda nesta quarta-feira.