terça-feira, 30 de dezembro de 2014

IML diz que jovem morta por raio no litoral de SP não estava grávida

Exames feitos pelo Instituto Médico Legal (IML) de Santos, no litoral de São Paulo, constataram que Kátia Boaretto, que morreu após ser atingida por um raio em Praia Grande, na tarde desta segunda-feira (29), não estava grávida. A informação contradiz a versão passada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e pela Prefeitura de Praia Grande.
Kátia estava na praia com o marido, Luciano D'Alessandro, e com seus tios, Zenildo Tadeu Vieira, coronel aposentado da Polícia Militar, de 69 anos, e Andrea Boaretto, de 41. Os quatro sofreram paradas cardiorrespiratórias após serem atingidos pela descarga elétrica, chegaram a ser socorridos, mas não resistiram.
O incidente com um raio que matou quatro pessoas em Praia Grande foi o segundo caso com o maior número de vítimas fatais simultâneas envolvendo o fenômeno no país. Os dados foram divulgados pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), órgão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O caso com mais vítimas fatais atingidas por um raio no Brasil aconteceu na década de 30, também na Baixada Santista, em Santos, quando seis pessoas morreram.
No total, 49 raios atingiram as cidades de Praia Grande e Santos durante a tempestade desta segunda-feira, entre 14h e 17h. O Brasil é o país com a maior incidência do fenômeno no mundo, com 50 milhões de raios por ano.
Autoridades envolvidas no atendimento às vítimas explicaram o incidente para a imprensa em uma entrevista no auditório do Hospital Irmã Dulce, no bairro Boqueirão. O guarda-sol sob o qual o grupo se abrigou durante a tempestade pode ter atraído a descarga elétrica.
O capitão acredita que a falta de informação com relação aos perigos de descargas elétricas contribuiu para a tragédia. "Nesse caso, não acredito que houve imprudência. Acredito que, de um modo geral, falte informação à sociedade. Eles se abrigaram sob um guarda-sol, objeto que atrai raios, assim com as árvores. Imediatamente após o fato, ainda era possível encontrar pessoas na faixa de areia, sob lugares que atraem raios", afirma.
A polícia identificou ainda na segunda-feira que as quatro vítimas da queda de raio em Praia Grande eram da mesma família. Luciano D’Alessandro e Kátia Boaretto moravam em Jacareí, cidade da região do Vale do Paraíba. Já o coronel aposentado da Polícia Militar Zenildo Tadeu Vieira e a esposa, Andrea Boaretto, eram da capital paulista. Um parente do casal Kátia e Luciano afirmou que eles passavam férias em Praia Grande.
Além das vítimas fatais, outras quatro pessoas foram atingidas durante o incidente, sendo que uma encontra-se internada em estado estável, a ambulante de Praia Grande Regina Célia Freitas Nogueira, de 51 anos. Uma mulher e suas duas filhas, turistas de Franca, no interior paulista, estão fora de perigo. Elas passaram por avaliação buco-maxilo-facial no Hospital Irmã Dulce, por apresentarem ferimentos no rosto, e foram liberadas.
RAIO MATA REBANHO
Pela terceira vez em três anos raios causaram prejuízos para o pecuarista Paulo Roberto Gomes. Dessa vez, 24 cabeças de gao morreram após um raio atingir uma árvore que fica no pasto em Paraguaçu Paulista (SP). O prejuízo foi de quase R$ 50 mil. Paulo já até pensou em colocar para-raios. “Eu pensei, mas desisti depois que descobri que o alcance do aparelho é muito pequeno”, conta.
Após a morte do gado buscou orientação na vigilância sanitária sobre os animais mortos e recebeu a informação que a carne não poderia ser aproveitada. “Era fazer um aterro e enterrar os animais e foi o que fizemos”, conta.
Segundo os meteorologistas os raios caem com maior frequência em locais abertos como as praias ou o campo. Quando chove, naturalmente as pessoas buscam se proteger em locais como os quiosques ou árvores, mas isso é um erro que pode custar a vida. “Um caso de tempestade procure ficar em casa e se não foi possível procurar um carro ou um prédio e procurar evitar esses locais de risco”, orienta o meteorologista Thiago Ferreira.

Dados do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais mostram que este ano 99 pessoas morreram vítimas de raio no país. O Brasil é o país como maior incidência de raios no mundo: são 50 milhões de raios por ano.