domingo, 28 de abril de 2013

DEPUTADA DESCASCA EM CIMA DOS FERREIRA GOMES

O clima esquentou entre deputados estaduais do PSB, na Assembleia Legislativa, na manhã de ontem, durante sessão ordinária. A discussão teve início quando a deputada Eliane Novais, membro da chamada ala histórica do PSB, acusou o presidente do partido no Ceará, o governador Cid Gomes, de estar antecipando o debate eleitoral da sucessão presidencial do próximo ano. Em contrapartida, os parlamentares aliados do chefe do Poder Executivo afirmaram que Novais tem sido infiel à legenda, pois apoiou a candidatura petista, quando das eleições municipais no ano passado.

Eliane Novais chegou a chamar de "inoportuna" a decisão do diretório estadual presidido por Cid Gomes, de pedir à direção nacional do partido que convoque encontro para discutir possível candidatura própria da legenda à Presidência da República. Segundo ela, o assunto foi levado à tribuna do Senado Federal pelo senador Rodrigo Rollemberg, para ressaltar que a decisão sobre uma possível candidatura do PSB à presidência da República cabe à direção nacional do partido e será tomada, de forma coletiva, no tempo do PSB


"Não é no tempo ou de acordo com a vontade pessoal do governador Cid Gomes ou do ex-deputado Ciro Gomes, que estão no partido há poucos anos, mas, mesmo assim, em alguns momentos parecem querer ser os "donos" dos rumos do PSB. Não é assim que funciona o partido, que tem uma tradição e uma história longa", disparou a deputada, que perdeu muito espaço na sigla ao longo dos últimos anos.


Conforme disse, o governador estaria prestando um "desserviço ao País", quando, segundo ela, tenta pressionar o PSB, a fim de antecipar o debate eleitoral. "Quero reafirmar que a decisão sobre a candidatura do PSB em nível nacional sempre foi tomada de forma coletiva, baseada em amplas consultas internas e sempre no ano da eleição".



Segundo ainda a deputada, "diferente do que pensam Cid e Ciro, o partido tem hoje capacidade e envergadura para entrar na disputa eleitoral para a presidência da república e tem um nome respeitado, bem avaliado nacionalmente e reconhecido dentro do Partido que é o do presidente Eduardo Campos", disparou a deputada.



Ela ainda disse que os irmãos Ferreira Gomes cobram uma posição mais célere de Eduardo Campos, enquanto ficaram "até o último minuto" no Governo Lúcio Alcântara e na gestão da ex-prefeita Luizianne Lins. " Tomaram a decisão de lançar candidaturas próprias nos minutos finais e agora querem que o partido atenda ao desejo e à conveniência deles. Se querem apoiar a Dilma, se já têm essa decisão formada que saiam do partido. Não vai ser novidade", criticou ela, afirmando que os dois já estiveram no Arena, PDS, PMDB, PSDB, PPS e agora PSB.