quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Sexo oral pode ser o maior causador de câncer na garganta do que álcool e cigarro


Na última década, estudos apontaram uma grande relação entre cânceres de orofaringe, especialmente na garganta, com o vírus da DST (doença sexualmente transmissível) papilomavírus humano, ou HPV. Isso indica que a prática de sexo oral pode estar apresentando um maior risco de desenvolvimento da doença do que o álcool e o cigarro, por exemplo.
Segundo especialistas, a doença antigamente acometia em sua maior parte homens acima dos 50 anos que costumavam beber e fumar muito. Hoje, é observado que esse perfil mudou para jovens, homens ou mulheres, de 30 a 40 anos que praticam sexo oral sem proteção e possuem vários parceiros casuais.
Só em São Paulo, cerca de 50% das pessoas diagnosticadas com câncer de orofaringe foram infectadas simultaneamente pelo HPV. Os médicos acreditam que em torno do ano de 2020, o vírus será o principal agente causador da doença, desbancado o álcool e o tabaco. Os especialistas alertam que a melhor maneira de evitar o contágio é por meio da vacina contra o HPV e a mudança de comportamento, como fazer sexo seguro e restringir os parceiros.