segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Os números de Neymar fora de campo


Nas quatro linhas, Neymar teve apenas um bom 2012. Afinal, o craque viu a medalha de ouro na Olimpíada de Londres escapar entre os dedos e o seu Santos ser eliminado da Libertadores. Além disso, o alvinegro praiano não conseguiu vaga para o torneio continental e o craque terá que disputar torneios mais modestos em 2013. Ao menos pelo seu clube, já que deve ser a grande estrela da seleção brasileira.
Se seu clube e a seleção não foram bem. O mesmo não se deve dizer do atacante. Indicado mais uma vez ao prêmio de gol mais bonito do ano e mais uma vez figurante na eleição dos melhores do mundo, a Joia Santista faturou alto em 2012. Seus números são absurdos no campo do marketing. Ele apareceu em propagandas de TV nada menos que 5.300 vezes neste ano. Estrelou 12 campanhas de marketing diferentes. Ao todo foram 44 horas de Neymar nas salas dos lares brasileiros. Os dados são da Controle da Concorrência, empresa que contabiliza inserções.
Com a Copa das Confederações, a exposição de Neymar só tende a aumentar. Não é a toa que seus críticos o apelidaram de Neymarketing e Neymídia.  Fato é que o Menino da Vila embolsou nada menos que R$ 60 milhões em 2012.
De certo modo é natural tantos holofotes em cima do craque. Afinal, ele é o principal jogador brasileiro às vésperas da Copa de 2012. Nem o mais desavisado torcedor pode duvidar que é dele o rosto do Mundial do Brasil.
Boa parte das pessoas vê na exposição massiva do atleta um fator negativo para seu desempenho dentro de campo. Eu e qualquer torcedor que acompanhou as exibições do craque em 2012 teremos que discordar nesse ponto. Após muitos e muitos tropeços e do deslunbramento inicial (e natural) com fama, Neymar está cada vez mais centrado dentro de campo.
Ele tem se tornado o modelo definitivo da profissionalização do futebol brasileiro. É um jogador, mas também é uma marca ambulante. Para vender os mais diferentes produtos ele já apareceu só de cueca, vestido de vaca, fantasiado de Elvis Presley,  contracenando com Ronaldo, abraçando o pai...As possibilidades parecem infinitas.
O universo em que Neymar circula fora dos gramados é o mesmo de astros de cinema, novelas e celebridades de um modo geral.  Ao ser tão exposto o atacante vive um grande desafio que é comum a qualquer atleta que faça sucesso semelhante:  lidar com o grande público.
Apesar dos torcedores também integrarem esse grupo que consome Neymar eles são bem diferentes.  O fã de futebol sabe perdoar deslizes, julga menos e seu humor é orientado pelo que acontece em campo. O público em geral, não. Julga aparência, costumes, atitudes e gestos grandes e pequenos.  Lidar com essa fogueira das vaidades sem sair queimado e manter grandes atuações em campo é que é o grande desáfio.
Justiça seja feita:  Neymar não passou o ano em branco. Ele faturou o  Campeonato Paulista e  a Recopa Sul-Americana em 2012.  Boa sorte em 2013, Neymar. Os olhos desse monstro sem rosto e coração chamado opinião pública estará seguindo seus passos.